quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Ensaio sobre a Pseudagem

O conceito surgiu de conversas, discussões e potências cerebrais que o álcool promove durante reuniões entre amigos. Surgiu profundamente do teatro amador, onde éramos participantes e assíduos observantes das pessoas teatrais que militavam pela causa e pseudavam em nome da arte e seu próprio egocentrismo sem fundamento.


Descobrimos mais pseudagem na faculdade. Movimentos estudantis são baldes de conceitos, pessoas e estilos pseudos, prontos para serem usados. Para uma faculdade paga como a nossa, a pseudagem rolava solta, pois havia explicitações claras da falta de clarividência sobre os assuntos.


Explico: A pseudagem é um movimento involuntário causado pelas pessoas em seus discursos em meio à sociedade, seja ele pró ou contra a algo ou alguém. Nestes discursos, cabe à pessoa determinar seu gosto a partir do “diferente”, “original”, “alternativo”, “indie” e afins, mesmo que o gosto não seja especificamente o real cravado na pessoa. A falta de sustância e fundamento nos discursos potencializam a pseudagem.


Suas vertentes incluem músicas, filmes, artes plásticas, tipos de comida e todos os gostos pessoais que possam interferir na ideologia pseudo-real deste ser. Sobretudo, a pseudagem domina as áreas da Cultura, História, Política e Arte.

Calculamos a pseudagem pela relevância altruísta, hermética, nonsense e anormal que estão implícitas no tema estudado.


O personagem pseudo gosta de filmes como “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, músicas de ciranda e maracatu, se veste com roupas xadrez, camisa e sandália, além de lenços, saias rodadas e cordas em volta da canela. Na cabeça, boinas, flores de pano, faixas e brincos de semente ou penas. Óculos quadrados com borda grossa e cigarros de palha potencializam o estilo. Barba grande, a fazer, malfeita e suja, também.


Exemplo prático da Pseudagem:


Show do Cordel do Fogo Encantado.

Pseudagens no palco: cantor segurando fogo nas mãos e recitando poemas enquanto os músicos soam um background com direito a violão percussivo e batuques africanos.

Na platéia: público dança em roda de sandálias, calças compridas xadrez, faixas na cabeça, saias rodadas e usando a erva cannabis.

Principal Pseudagem:Dançar em roda remete às danças tribais, excluídas socialmente e recuperadas pelos pseudos para demonstrar sua intelectualidade sobre o tema. O uso de calça xadrez nos anos 60, principalmente por estudantes de esquerda, lutadores e militantes, faz com que estudantes de hoje se inspirem na moda, unindo a sandália tipo "forrozeiro" para dar o ar humilde ao estilo pseudo. A faixa no cabelo das meninas e saias rodadas remetem aos trajes africanos, vindos do quintal do mundo, para a pseudagem beneficente. O uso da cannabis remete à liberdade pseuda, remetida a Bob Marley, Hippies e intelectuais sessentistas. Os pseudos acham que na atualidade a erva ainda é sinal de diferença comportamental.

7 comentários:

  1. e a música?!

    "pseudagem, vamo milita, pseudagem, vamo milita..."

    você chega, e humilha os textos das pessoas...

    seja bem vindo...

    beijos de amor...

    ResponderExcluir
  2. resume de modo sucinto o que é ser pseudo... é um começo, quero ver mais debates sobre o tema!

    beijos!

    ResponderExcluir
  3. Todo mundo busca uma identidade, o pseudo, o boy, o mano e o rasta... Todos querem uma "individualidade" porque a nossa sociedade cobra individualidade, porém, o unico meio de disponivel para alcançar a individualidade é ações de massa, o que é um paradoxo né... Mas no fundo da na mesma, esse texto foi muito bem escrito e eu dei muita risada, mas achei meio futil.

    Ah, continue escrevendo que eu ja coloquei no favoritos =)

    ResponderExcluir
  4. uhahaha Simplesmente adorei!!

    Ótimo conceito de pseudagem Rubs.
    Com ctza vai render altos debates...vc pode fazer sua tese de mestrado baseado nisso!!

    hehe, bjus te amo!E quem sabe, serei a próxima?

    ResponderExcluir
  5. é
    viva a pseudagem!
    somos todos pseudos!
    tem a música "rolando na praia" que eu fiz com a nara!
    hoho
    confesso que é boa!
    bejo no nariz!

    ResponderExcluir
  6. pseudo-, elem. de comp. (grego pseudes). Exprime a idéia de falso: pseudestesia, pseudofobia.

    Mas ainda não entendi o que é essa poha.

    ResponderExcluir
  7. No compreendo, mas um pouco eu entendo... o quão pseudo somos ou podemos ser... na crise de identidade geográficosocialprofissional que eu to, me identifico bastante com os pseudos da sua descrição... só faltou mesmo falar algo sobre paz e natureza... pseudagens vivas nas mentes e corações de pseudos do mundo inteiro... to gostando de ler seu blog, me fez até voltar a escrever no meu... thanks man...

    ResponderExcluir